O MUNDO NUM SÓ LUGAR - A NOSSA BIBLIOTECA

É um espaço diversificado, agradável, confortável, local de consulta de materiais em diversos tipos de suporte, ao serviço de toda a comunidade escolar.

Venha visitar-nos!


E-mail: bibomundonumsolugar@gmail.com

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

UMA HISTÓRIA NO DIA DAS BRUXAS!


Recados e Imagens - Dia das Bruxas - Orkut

Recados, Gifs e Imagens no Glimboo.com

TERROR NO MUSEU DE ANGRA DO HEROÍSMO


O dia amanheceu cinzento e chuvoso, de tal forma que a força do vento quase impediu a viagem da visita de estudo ao Museu de Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira. Batiam as dez horas da manhã quando a turma do 6.º ano entrou no Museu, em fila indiana. A Bernardete, o Nuno, a Clarisse e o João olharam admirados para as carruagens do século XIX que os faziam imaginar os tempos antigos onde as donzelas da ilha tinham passeado pelos campos.
No Museu havia imensos corredores e muitas salas onde era fácil perderem-se. Por falar em perder-se, a Bernardete, o Nuno, a Clarisse e o João, amigos de sempre, encontraram-se numa grande aventura onde só os quatro foram protagonistas. O João, que era filho de pescador, viu um enorme barco muito antigo onde havia pedras preciosas e muito ouro. Curioso como era, foi logo espreitar, deixando os colegas de turma e a professora para trás. Só os seus amigos o seguiram prontamente, escapando também à vigilância da professora Gertrudes.
O barco era magnífico mas assustador, na sala pobremente iluminada apenas com algumas velas negras. Para surpresa e espanto dos nossos amiguinhos, as velas começaram a flutuar. A Clarisse, a mais assustada do grupo, começou a correr. Os amigos começaram a chamá-la. Ela olhou para trás mas não ligou aos seus apelos. De seguida, olhou para a frente e passou por um fantasma, guardião do tesouro do barco.
- Vocês viram aquilo? – perguntou o Nuno, pálido de medo.
- Olha o medricas! – troçou o corajoso João. – Eu não acredito em fantasmas, isto é pura ilusão!
A Bernardete, assustada, disse:
- Não sei se vocês se lembram mas hoje é o Dia das Bruxas, o dia em que os fantasmas se juntam para assustar os mortais…
- É lá Dia das Bruxas!... Só um palerma acredita nesse dia. – disse o João Matulão.
Nesse instante um barulho sucedeu.
- O que foi isto? - perguntou a Bernardete assustadíssima.
- Booooooooooooo! Eu sou o Fantasma Protagonista do Museu e vocês entraram em terreno proibido!
- Terreno proibido? Mas estamos num museu público! – exclamou o João, com os seus amigos escondidos atrás de si.
- É terreno proibido porque ninguém pode entrar nesta sala. Os espíritos maléficos estão a observar-vos a todo o momento. – respondeu o fantasma. Mas, surpreendido, o fantasma lembrou-se: - Ai, ai, desculpem, mas é que acabei de me lembrar que uns espíritos estão a jantar e outros estão no cabeleireiro de reparações a cortar as asas.
- Cortar as asas? -perguntou o Nuno.
- Sim, foi o que eu disse. - respondeu o fantasma.
- Mas cortar a asas para quê? - perguntou a Bernardete.
- Eles têm que cortar as asas para voarem melhor.
De repente, os nossos amigos ouviram um barulho parecido com uma porta a bater.
- O que f…f…oi isto? - perguntou a assustadíssima Bernardete.
- Devem ser os vampiros a fechar os seus caixões. - respondeu o fantasma, a rir-se do jeito da Bernardete.
- Vampiros no museu? - perguntou o João.
- Sim, no Dia das Bruxas eles aparecem com mais frequência, para vos sugarem o sangue todo. Ah, ah, ah! - ecoou a voz do fantasma.
- Não sei o que é que vocês pensam mas eu… eu vou fugir daqui. Vemo-nos no outro mundo. Adeeeeuuuuussss! - disse a Bernardete enquanto fugia dos vampiros. -Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhh! Socorro!
PUM! A Bernardete encontrou a Clarisse que fugia de outro fantasma.
- Amiga, estás a salvo! Graças a Deus! - acalmou a Bernardete.
- A salvo, eu?? Eu estou a fugir de um fantasma, como é que posso estar a salvo? – perguntou a Clarisse assustada.
- Ohhhh! Estás a fugir de um fantasma? Há pouco encontrei-me com um mas agora fujo de um vampiro que nos suga o sangue todo. É horrível! - disse a Bernardete.
- Sim, mas onde estão o João e o Nuno? - perguntou a Clarisse preocupada.
- O João e o Nuno ficaram para trás com o Fantasma. - respondeu a Bernardete.
- Boooooooooooooo! Booooooooooooo! Boooooooooooooooo! Eu sou o Fantasma-Rei. - anunciou um fantasma que por ali apareceu.
- Rei, rei, ah, ah, então se és rei, por que é que não tens uma coroa? - perguntou a Clarisse, assustada mas ao mesmo tempo atrevida e curiosa.
- Não tenho coroa neste momento porque ela está na lavandaria a ser limpa.
De repente, entrou o João em grande correria, perseguido por um vampiro que queria sugar-lhe o sangue.
- Ahhhhhhhhh! – gritava o João, mais pálido que nunca.
O vampiro aproximava-se do seu pescoço, quando de repente…
- João, filho, acorda! Está na hora de ir para a escola!
- Aiiii! Ah, és tu, mãe!? Tudo não passou de um pesadelo.
Uma história de Maria e Carla

domingo, 26 de outubro de 2008

Ateliê "Diz-me quem és, dir-te-ei o que lês"















No dia 24 de Outubro, o 7º F participou no ateliê Diz-me quem és, dir-te-ei o que lês.
O ateliê tinha como desafio conhecerem seis livros através de objectos, imagens e excertos. No final, os alunos puderam identificar-se (ou não) nos perfis de leitores que os animadores responsáveis pela actividade tinham estabelecido.
O bicho dos livros é assim que se chama a dupla que desenvolveu esta oficina, constituída por Andreia Brites e o Sérgio Letria.
No seu blogue
http://www.obichodoslivros.blogspot.com/ os dois animadores fazem a avaliação desta actividade quanto aos livros por eles seleccionados dizendo o seguinte “Mais uma vez, O rapaz que chutava porcos (Tom Baker, Teorema) recolheu muita curiosidade. O apelo do terror funciona como jogo de negação e acaba por motivar leitores reticentes ou insatisfeitos. Já O Diário Secreto de Adrian Mole aos 13 anos e 3/4 (Sue Townsend, Difel) voltou a ganhar adeptos e começa a candidatar-se a leitura clássica, já não falta muito.”
No que diz respeito à promoção da leitura acrescentam ainda que “… este atelier prova que muitos adolescentes recusam a leitura porque não têm acesso a livros que lhes despertem interesse. E, muitas vezes, os livros que lhes podem interessar não são os mais óbvios, ou seja, não são necessariamente livros feitos segundos modelos, a pensar no adolescente de forma simplista, sem lhe dedicar o respeito que merece. associado aos livros. E esse é o primeiro passo para os aproximar da leitura."

sábado, 18 de outubro de 2008

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO





Desenhos realizados pelos alunos dos Jardins de Infância do Agrupamento :
JI de Gilvrasino
JI Mira Serra
JI Hortas de Stº António



Diz o ditado popular que “pela boca morre o peixe”.E o povo nunca se engana…Na verdade, a alimentação é um factor de grande importância na nossa saúde e por isso, este Dia Mundial da Alimentação (16 de Outubro) serviu de tema a uma exposição sobre a alimentação que está a decorrer no átrio da escola-sede. Nela, participaram os Jardins de Infância do Agrupamento. As turmas CEF da escola, também, promoveram algumas actividades na sala de professores e junto ao bufete dos alunos.

A VIDA SECRETA DOS LIVROS

Já viram o que acontece,durante a noite nas prateleiras da nossa biblioteca?

sábado, 11 de outubro de 2008

Foi assim o Dia Internacional das Bibliotecas Escolares...

No dia 10 de Outubro, pelas 18 horas, teve lugar, na Biblioteca Municipal de Loulé, uma Festa para comemorar o Dia Internacional das Bibliotecas Escolares.
O evento teve início com o discurso de abertura do Prof. João Lopes; seguiram-se depois as participações das diferentes escolas que apresentaram actividades desenvolvidas pelos alunos no âmbito do Plano Nacional de Leitura.
O nosso Agrupamento esteve representado com a as dramatizações do poema de Luísa Ducla Soares " Meninos de todas as cores" pelos alunos do Clube da Leitura da ProfªMaria do Carmo Arquilino e com "A História da Carochinha"- pelos alunos do 2ºano da Professora Maria do Carmo, da Escola EB1 Mãe Soberana.


Estiveram, também, representadas as bibliotecas escolares dos agrupamentos: Padre João Coelho Cabanita e E.B.I. de Salir.
Foi uma tarde de festa! Muitos alunos, professores pais e outros familiares...

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Dia Internacional da Biblioteca Escolar


Comemora-se, hoje,sexta-feira, dia 10 de Outubro, pelas 18 horas, nas instalações da Biblioteca Municipal de Loulé, o Dia Internacional das Bibliotecas Escolares. Este evento será organizado pelo SABE da Câmara Municipal de Loulé e conta com a colaboração da Rede de Bibliotecas Escolares do Concelho de Loulé.

No espectáculo participarão alunos de algumas escolas pertencentes à rede. Estará também patente uma exposição de marcadores de livros realizados pelos alunos das escolas pertencentes à Rede de Bibliotecas Escolares do Concelho de Loulé

A nossa escola estará presente com a peça "Meninos de todas as cores" adaptada do poema com o mesmo nome, de Luísa Ducla Soares. Esta actividade foi desenvolvida no Clube da Leitura e no âmbito do Ano Internacional do Diálogo Intercultural e foi representada na festa de final de ano da escola.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Os 5ºs Anos na Formação de Utilizadores





Na semana de 6 a 9 de Outubro, a Equipa de Coordenação da Biblioteca Escolar realizou sessões de formação de utilizadores destinadas aos alunos dos 5.º anos. O objectivo principal destas sessões foi o de sensibilizar alunos e professores para as regras de utilização deste espaço, de divulgar as zonas funcionais da biblioteca e o fundo documental, dar a conhecer a forma como os documentos se organizam nas estantes (CDU), o Guia do Utilizador e o blogue da biblioteca como um recurso de pesquisa de informação. No final, os alunos realizaram uma pequena tarefa para consolidação da informação prestada.

FORMAÇÃO DE UTILIZADORES




domingo, 5 de outubro de 2008

5 de OUTUBRO


O FIM DA MONARQUIA E A IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA
A QUEDA DA MONARQUIA

Nas últimas décadas do século XIX, o descontentamento da população crescia. Para pagar as obras públicas, o governo contraía dívidas, aumentava os impostos, e o custo de vida subia. Os pobres estavam mais pobres e os ricos mais ricos.


Na Europa, crescia o interesse pelos territórios em África, fonte de matérias-primas para a indústria: algodão, café, ouro, diamantes. Os portugueses fizeram viagens de exploração no interior africano, entre Angola e Moçambique.



O Mapa Cor-de-Rosa e o Ultimato

Os países mais industrializados (Grã-Bretanha, França, Alemanha) procuravam também assegurar a posse de vários territórios em África. Em 1884-1885, esses países reuniram-se na Conferência de Berlim e decidiram que os territórios africanos seriam dos países que os ocupavam efectivamente, e não dos que os haviam descoberto.
Portugal reage apresentando o Mapa Cor-de-Rosa, no qual exigia para si os territórios entre Angola e Moçambique.
Em 1890, a Inglaterra (que nunca aceitou o Mapa Cor-de-Rosa) apresenta ao rei D. Carlos I um Ultimato: ou os portugueses desocupavam os territórios entre Angola e Moçambique ou o governo inglês declarava guerra a Portugal.
Para grande descontentamento da população, o governo português aceitou este Ultimato.

O Regicídio

Neste clima de descontentamento contra a monarquia, as ideias republicanas ganham adeptos: defendem um presidente eleito à frente do governo, e não um rei. Forma-se o Partido Republicano.
Em 31 de Janeiro de 1891 dá-se no Porto a primeira revolta armada contra a monarquia. No dia 1 de Fevereiro de 1908, em Lisboa, ocorre o regicídio: são mortos num atentado o rei D. Carlos I e o príncipe herdeiro, D. Luís Filipe.

A Revolta do 5 de Outubro de 1910

A revolução republicana começou em Lisboa na madrugada de 4 de Outubro de 1910.
Partiu de pequenos grupos de conspiradores a que a população aderiu.
O exército monárquico não se conseguiu organizar e os revoltosos venceram.

Na manhã de 5 de Outubro de 1910, dirigentes do Partido Republicano, na varanda do edifício da Câmara Municipal de Lisboa, proclamaram a implantação da República em Portugal.

Neste dia terminou a monarquia em Portugal.

A 1ª REPÚBLICA

Logo após a revolução do 5 de Outubro, foi criado um governo provisório, presidido pelo Dr. Teófilo Braga.
Adoptou-se a bandeira vermelha e verde e o hino passou a ser "A Portuguesa".
Em 28 de de 1911 realizaram-se eleições para a Assembleia Constituinte que tinha como missão elaborar uma nova Constituição.
A Constituição Republicana ficou conhecida como a Constituição de 1911 pois foi aprovada a 19 de Agosto desse ano.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

1 de OUTUBRO - DIA INTERNACIONAL DA MÚSICA



O Dia Internacional da Música foi proposto e celebrado pela primeira vez em 1975 pelo grande músico e violinista Yehudi Menuhin na altura Presidente do Conselho International da Música (International Music Council .
Os objectivos para a celebração deste dia são entre outros "a promoção da arte musical em todas as secções da sociedade, a aplicação dos ideais da UNESCO de paz e amizade entre os povos e a evolução das culturas, a partilha de experiências e a apreciação mútua dos diversos valores estéticos (...)"


A propósito do DIA INTERNACIONAL DA MÚSICA
deliciem-se com este som:





O Angklung é um idiofone originário da Indonésia (Java e Bali), mas popular em todo o Sudeste da Ásia. Este instrumento é composto por dois tubos de bambu de tamanhos diferentes reunidos linearmente num caixilho. A altura das notas depende do comprimento e diâmetro dos tubos. O som ocorre agitando os instrumentos para fazer o trémulo.
Uma vez que cada instrumento apenas produz um ou dois sons, um grupo de Angklung pode ser composto por 60 a 160 pessoas. Não é o caso do vídeo que escolhemos, onde um único intérprete recorre à sua perícia para manusear vários angklung, assim criando a sua versão do tema de Rihanna, "Umbrella".